Plano de saúde autogestão. (Sete entidades na área da Justiça estudam implantação de plano de saúde único)

Sete entidades representativas, entre associações e sindicatos de profissionais que atuam na área da Justiça no Tocantins, analisam a viabilidade de implantação de um plano de saúde de autogestão para seus membros e servidores. Uma reunião sobre o assunto foi realizada nesta terça-feira, 27, com representantes das entidades interessadas e o presidente do Instituto Brasileiro de Direito da Saúde Suplementar (IBDSS), o advogado José Luiz Toro. 

 

A proposta é de interesse das seguintes entidades: Associação dos Servidores do Tribunal de Justiça do Tocantins (ASTJ), Associação dos Defensores Públicos do Estado Tocantins (Adpeto), Sindicato dos Servidores da Defensoria Pública do Tocantins (Sisdep), Associação dos Funcionários do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins (Astec), Associação dos Servidores Administrativos do Ministério Público (Asamp), Sindicato dos Servidores da Justiça do Estado do Tocantins (Sinsjusto) e Sindicato dos Oficiais de Justiça do Tocantins (Sindojus-TO).

 

Toro, que é especialista em direito da Saúde suplementar, apresentou um pouco de sua experiência nessa área. Ele explanou, na reunião, sobre “A saúde na Constituição Federal e visão geral da regulação dos planos de saúde”. 

 

Nessa fase de estudo de viabilidade sobre o plano de saúde próprio para os profissionais da área da Justiça, Toro atua como consultor.  

 

Participaram da reunião: o presidente da Adpeto, defensor público Fabrício Dias Braga; o presidente da ASTJ Carlos Alberto Leal Fonseca e o Diretor Financeiro Aurécio Barbosa Feitosa, o presidente do Sisdep, Renan de Oliveira Freitas; Evandro de Oliveira Resende, pela Associação dos Funcionários do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins; Bernardino de Abreu Neto, pela Associação dos Servidores do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins; Saldanha Dias Valadares Neto, representando a Associação dos Servidores Administrativos do Ministério Público do Estado do Tocantins; o vice-presidente do Sindojus, Clodoaldo de Souza Moreira Júnior e a vice-presidente do Sinsjusto, Raimunda Valnisa.

 

O encontro foi sediado na sede da Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE-TO), em Palmas.  A proposta está em fase de estudo de viabilidade, mas é vista como uma alternativa aos planos atualmente contratados.

Publicada em: 28/11/2018 19:40:49